Acumular, não mais. Desapegue!

Nos últimos tempos temos dito uma frase recorrente:

Morar fora do país é passar a vida a limpo.

E é mesmo. Começa pela burocracia que temos que enfrentar em relação aos nossos documentos do Brasil. Aquele momento em que você descobre que precisa transferir o seu título de eleitor, renovar sua carteira de identidade, checar o status do seu alistamento militar e tantos outros e outros documentos que temos que ter pelas leis brasileiras.

Gente, é impressionante como nossa certidão de nascimento brasileira nunca jamais em tempo algum perde a sua importância e também como a certidão de casamento passa a ser um documento tão importante quanto. Nosso RG, nossa CNH, nosso Passaporte caducam, mas certidão de nascimento e de casamento continuam na ativa por toda nossa vida! Bom, até que alguém te peça uma “nova” certidão de nascimento, aff!

Depois de tudo isso organizado, é hora de fazer as traduções juramentadas dos documentos pessoais e escolares. Lembre que você vai precisar, obrigatoriamente, traduzir sua certidão de nascimento e sua certidão casamento. Aliás, já falamos sobre isso aqui em outro post. Prepare mais tempo e dinheiro.

Se tiver que revalidar seus diplomas escolares para estudar fora, mais burocracia,  que envolve ter que acionar as antigas instituições escolares que você frequentou desde o Segundo Grau, atualmente chamado de Ensino Médio. Isso é quase uma saga que demanda muito tempo e habilidade política para que você consiga fazer com que o povo da secretaria da sua antiga escola resolva colaborar!

Para revalidar seus diplomas para o Canadá, tente os serviços da University of Toronto ou da WES – que também faz as revalidações para os Estados Unidos.

Já falamos aqui em outro post, sobre providências e sobre as procurações que você precisa fazer para deixar com alguém de sua confiança no Brasil antes de embarcar para morar no exterior seja por tempo determinado ou indeterminado. Mais burocracia.

E nisso, friends, nessa busca e organização de documentos, descobrimos que temos MUITO, mas muito papel guardado. MUITA, mas muita coisa guardada. Coisas do “arco da velha” aparecem e com elas suas memórias…

A reflexão é: como simplificar ? Como não acumular e guardar menos coisas?

Na rotina de quem vive corrido, de quem trabalha muito, de quem estuda muito, sobra pouco tempo pra organizar as próprias coisas. Vamos botando de lado, num canto, naquela gaveta do “um dia eu arrumo”.

O desafio agora é: em sua nova vida no exterior, acumule menos, separe um tempo para se organizar e guarde somente aquilo que seja absolutamente necessário.

Desapegue and be happy!! 🙂

Anúncios

Deixe uma resposta